Nossas Publicações

profile Image
22 de novembro de 2018
Jorge Miguel Bravo

O fim anunciado das reformas antecipadas

Apresentado como um prémio às longas carreiras contributivas, a proposta de criação de um novo regime de reforma antecipada por flexibilização da idade contida no orçamento de Estado para 2019 traduz, na prática, e pasme-se, o fim das reformas antecipadas por idade para a esmagadora maioria dos trabalhadores portugueses. A proposta vem alterar completamente a condição de acesso, passando a exigir para eliminar a dupla tributação que aos 60 anos os trabalhadores já tenham, pelo menos 40 anos de carreira contributiva. O novo regime é injusto intra e intergeracional é este novo regime, desprezando os princípios de justiça redistributiva, agrava a insustentabilidade dos sistemas públicos de segurança social e não responde aos desafios criados pelas alterações demográficas.

profile Image
4 de junho de 2018
Jorge Miguel Bravo

Fundamentos económicos do mercado de habitação: a (anti)reforma

O governo anunciou recentemente uma auto-intitulada (anti)reforma no sector da habitação que arrisca, por desconhecimento ou negligencia dos fundamentos básicos de funcionamento da economia neste mercado, transformar-se em mais um conjunto vazio de enunciados e propostas que apenas serve para entreter a classe política e os comentadores alinhados.

profile Image
2 de abril de 2018
Jorge Miguel Bravo

Ilusão monetária, austeridade real e empobrecimento da Função Pública

A ilusão de que o fim do programa de ajustamento da Troika e a mudança de ciclo político significariam o fim da austeridade transformou-se numa desilusão. Alguns estudos elaborados no âmbito da economia comportamental mostram que a ilusão monetária pode influenciar a percepção dos resultados de uma determinada medida, seja pela presença de comportamentos mióticos, seja pela fraca literacia financeira da população.

profile Image
5 de fevereiro de 2018
Jorge Miguel Bravo

A fiscalidade das pensões: economia, competitividade e incentivos à poupança

A tributação das pensões afecta directamente as decisões de consumo, poupança, trabalho, lazer e afectação de activos e as finanças públicas. Tem, por isso, implicações directas em áreas-chave como a poupança, a acumulação de capital, a produtividade, o crescimento económico, os mercados de capitais e os níveis de bem-estar.

profile Image
4 de dezembro de 2017
Jorge Miguel Bravo

Cheguei à reforma! And so what?

A crescente longevidade dos pensionistas exige que se preste mais atenção às soluções financeiras dedicadas às suas necessidades específicas e não a oferta de produtos indiferenciados destinados ao comum dos cidadão.

profile Image
16 de outubro de 2017
Jorge Miguel Bravo

Porque é tão apelativo o chamado Sistema Sueco para as pensões

Convido o leitor a reflectir e a questionar-se a si e aos seus representantes sobre as razões pelas quais em Portugal se foge a sete pés de reformas estruturais no sistema de pensões.

profile Image
28 de agosto de 2017
Jorge Miguel Bravo

O seguro florestal enquanto instrumento de gestão de risco das florestas

A gestão do risco no âmbito da actividade agrícola/florestal assume uma importância crescente num contexto da globalização, preocupações ambientais e alterações climáticas.

profile Image
10 de julho de 2017
Jorge Miguel Bravo

Portugal é um país intergeracionalmente justo?

O problema da justiça intergeracional é complexo e, em tese, politicamente controverso mas tal não deve servir para que os conflitos entre as preocupações e os interesses de diferentes gerações sejam explorados para fins estritamente políticos.

profile Image
22 de maio de 2017
Jorge Miguel Bravo

Reestruturar a dívida ou passar a pesada “herança” aos nossos filhos e netos?

A resolução do problema da dívida não deve ser guiada pelos populismos fáceis e demagógicos em que a política portuguesa – em todos os órgãos de soberania – se tornou fértil por estes dias.

profile Image
3 de abril de 2017
Jorge Miguel Bravo

Não invoqueis as palavras justiça social e equidade em vão…

Os sistemas públicos são em Portugal actuarialmente injustos, não valorizam as carreiras contributivas longas e impõem às sucessivas gerações crescentes taxas contributivas.

Colabore Connosco e receba a nossa newsletter

Fique a par das últimas novidades e eventos da Cidadania Social e receba os nossos artigos de opinião.